Palhaço – Verdade e Liberdade

                            

                                   

Bem, não poderia deixar de contar uma experiência show de bola que tive hoje no Congresso de Engenharia de Entretenimento. Tivemos uma Oficina de Palhaços com o grupo Marias da Graça (www.asmariasdagraca.com.br).

Foi muito interessante, primeiro rolou um aquecimento, e desde o início ia ficando clara a importância de nunca tirar o olho do público ou de algum fenômeno diferente que estivesse acontecendo (algum barulho, uma interferência externa, etc). O palhaço sempre respeita a platéia, então sempre está dirigindo a ele sua atenção, ou então observa e pontua quando algo estranho acontece.

As facilitadoras do grupo primeiro pediram que cada participante da dinâmica subisse ao palco e colocasse uma máscara. Lá éramos sabatinados, e aquela máscara tinha um duplo efeito: esconder a máscara que nós carregamos no dia-a-dia (já falei sobre isso em outro post), e deixar o ser livre para o ridículo, para o lúdico, e porque não, o verdadeiro.

Na sabatina delas havia perguntas esdrúxulas, e a cada momento elas pontuavam alguma característica que o palhaço precisa desempenhar, dentre os quais:

1 – Entrar no palco no momento correto, e observando toda a platéia;

2 – Sinalizar com o olhar quaisquer interferências no espetáculo;

3 – Ser verdadeiro. O palhaço não mente, porque a verdadeira graça do espetáculo está na veracidade de sua história. Quanto mais o público reconhecer no palhaço a sua verdade, mais ele se identifica com o espetáculo, com o palhaço. E aí se instala o espetáculo, pois na verdade o palhaço é uma transferência do ridículo daquele que o assiste. O processo só se sustenta com a verdade. O teórico Lecoq observa que "buscar o clown é buscar a própria derrisão, o próprio ridículo. O ator deve descobrir em si a parte clownesca que o habita. Menos ele se defende, menos ele tenta representar um personagem, mais o ator se deixa surpreender por suas próprias fraquezas, mais seu clown aparece com força”.  Diferentemente do ator, o palhaço não representa, ele é! No trabalho do clown não existe a famosa quarta parede do teatro. No trabalho clownesco há um trânsito intenso entre palco e platéia.

4 – Reverenciar o público quando ele ri do espetáculo. E aí fica uma lição: o público não ri do palhaço, mas ri com o palhaço, dado que o ridículo ou cômico que gerou a risada é propriedade daquele que ri, dentro do seu constructo interno de que aquilo é ridículo. A grande sacação é que o público na verdade ri o tempo inteiro de si mesmo, e isso é catártico.

5 – Quando o palhaço erra, o público bate palma. O erro é a alma do espetáculo do palhaço.

6 – Ao despedir-se do público, ele deixa o palco aos poucos, sempre observando a todos, e deixando alguma simbologia na mente daqueles que assistiram ao espetáculo.

Bem, ficam então alguns aprendizados com nossos amigos palhaços: palhaçada é coisa séria. Quando rimos do palhaço, estamos rindo de nós mesmos e nos perdoando por nossos erros e tristezas. Também fica a metáfora do errar, que no palhaço é encarnado como o espetáculo, e por que não, o acerto!

Outro aspecto é a pluralidade, o palhaço faz o espetáculo onde quer que esteja: nas ruas, no picadeiro ou no palco. Ele legitima a total liberdade de ser, que discuti no post anterior. Ele se mostra sem medo e, assim, mostra a nós todos nossos próprios medos.

Numa sociedade em que somos condenados por nossos erros, porém somos chamados de palhaços por nossa estupidez, ver no clown a ressignificação do erro e do signo do palhaço pode mostrar um caminho de aprendizado significativo.

Palhaços teoricamente são perdedores, frágeis e vulneráveis. Mostram à vontade seus defeitos numa sociedade que nos quer sarados, alisados, contemporaneizados e bem-sucedidos. Os palhaços subvertem a inteligentzia e passam de um erro a outro erro em sucessão. É na derrota que se saem vencedores.

Para Alex Navarro, palhaço e estudioso de clowns, o palhaço quer amor e aceitação, quer ser como os outros, pois assim pensa ser aceito pelos demais (como a criança que quer ser um adulto). Segundo eles todos fomos palhaços, especialmente de um a três anos, pois tínhamos timing, ingenuidade e as mais importantes bagagens básicas do clown de forma natural. Do seu ponto de vista, o clown vem da criança. Se lhe dão um brinquedo caríssimo podem tirá-lo da caixa, deixá-lo de lado e passar horas brincando com a caixa e o envoltório. É o mundo ao contrário do clown.

Fica agora uma questão: palhaços – uma postura de vida ou um escapismo disfarçado? Espero seu comentário.

Abs, André Dametto

Sobre André Luiz Dametto

Apaixonado por aprender e criar. Às vezes professor e consultor, outras artista ou flâneur, mas livre, sempre..
Esse post foi publicado em Comunicação, Equilíbrio Pessoal e Profissional, Essência da Vida, Minhas histórias, Pensamentos, Sei lá e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Palhaço – Verdade e Liberdade

  1. miriam disse:

    Adorei…
    Associei esse tema e o que vc escreveu aos professores, muitas vezes nos sentimos meio palhaços em sala de aula.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s